quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

2010: O ANO DE RAABE, A MERETRIZ




Rev. Márcio Retamero* – Comunidade Betel

Pela fé, Raabe, a meretriz, não foi destruída com os desobedientes, porque acolheu em paz os espias”. Hb 11.31

Enfim, é carnaval! Neste país tropical, abençoado por Deus, diz a voz do povo que o ano só começa após a “Folia de Momo”. Sendo assim, daqui alguns dias, 2010 finalmente terá início na Terra de Santa Cruz.

Por isso, somente agora trago a minha proposta à igreja inclusiva. Sabemos que virou moda, principalmente nos arraiais neopentecostais, dedicar o ano a um personagem bíblico ou a um tema que eles consideram relevante. Isso não é novo! A Igreja Católica Romana faz isso não é de hoje. Por exemplo, para a Igreja Católica Romana, estamos no “Ano Sacerdotal”, pois é sesquicentenário do padre S. João Maria Vianney, o “Cura D’Ars”.

Na Igreja “Apostólica” Renascer, 2010 será o “Ano de Pedro”; na INSEJEC (Igreja Nacional do Senhor Jesus Cristo), liderada pela “Apóstola” Valnice Milhomens, é o “Ano do Tributo a YHWH”; na igreja do “paipóstolo” (é, existe isso sim!) Renê Terra Nova é o “Ano da Resposta Impossível”; para Helena Tannure, ligada ao ministério da Igreja Batista da Lagoinha, 2010 será o “Ano de busca”... Enfim, para uns será o “Ano de Davi”, para outros, o “Ano da Prosperidade” e assim, cada grupo vai “decretando”, “declarando profeticamente”, suas dedicações no ano de 2010.

Sendo assim, venho apresentar minha proposta à Igreja Inclusiva. Seja o ano de 2010, para nós, o “Ano de Raabe, a Meretriz”. Você conhece a história de Raabe?! Não?! Então abra a sua bíblia no livro de Josué, capítulo 6. Abriu?! Eis ai a história da nossa Raabe! Leia e volte aqui para continuar lendo minha proposta.

Em todas as Escrituras, somando o AT e o NT, Raabe é citada sete vezes. No NT, é citada em Mt 1.5; Hb 11.31 e Tg 2.25. A passagem da Carta aos Hebreus você pode ler ali em cima, no cabeçalho deste texto. Vejamos o que diz Mt 1.5: “Salmom gerou de Raabe a Boaz...” Tiago: “De igual modo, não foi também justificada por obras a meretriz Raabe, quando acolheu os emissários e os fez partir por outro caminho?”

Raabe, a meretriz, sempre é elogiada nas Escrituras, tanto no AT como no NT. Por ter ajudado os espias de Israel na tomada de Jericó, foi salva e salvou sua família por este gesto. Após a tomada de Jericó, integrou-se à comunidade de Israel, sendo a primeira mulher estrangeira e rameira a conseguir tal façanha. Casou-se, no entanto, sempre que as Escrituras falam dela, vejam o NT, sempre a chamam de meretriz, ou seja, prostituta.

Raabe: mulher, rameira e estrangeira, era triplamente excluída pela religião mosaica. João Calvino seja nos seus comentários bíblicos, seja na sua obra maior, “As Institutas da Religião Cristã”, sempre que falava do povo hebreu, chamava-o de “Igreja Antiga”. Então, sendo assim, como calvinistas, também podemos dizer que no caso de Raabe e de muitos outros excluídos, a “Igreja Antiga”, a comunidade do povo de Deus no AT, era também, igreja inclusiva.

Lemos no Evangelho segundo S. Mateus, logo no primeiro capítulo, o nome de Raabe, a meretriz. Segundo a tradição judaica, Raabe é tetravó do Rei Davi e como Jesus Cristo é descendente de Davi, Raabe, a meretriz, é ascendente de Jesus, ou seja, está na linha genealógica (segundo a carne), de Jesus. Isso mesmo! Jesus descende também de uma rameira.

Tiago elogia Raabe e seu feito. Para ele, o advogado das obras mediante a fé, Raabe foi justificada diante de Deus, porque ajudou o Seu povo na conquista da Terra da Promessa.

Na galeria dos “heróis da fé”, do autor da Carta aos Hebreus, somente duas mulheres foram dignas de serem nomeadas: Sara, mãe do patriarca Isaque e Raabe, a meretriz. Se bem que, no grego, língua original da Carta aos Hebreus, se lido ao pé da letra o versículo 11, temos: “Pela fé Abraão, junto com Sara”... À rigor, portanto, a rameira é a única mulher que “brilha” sozinha, na galeria dos heróis da fé.

Eu creio que você já está entendendo onde quero chegar e porque estou propondo que a Igreja Inclusiva tome o ano de 2010 como o “Ano de Raabe”.

Esta triplamente excluída, pela Graça de Deus, foi incluída no povo de Deus, na comunidade de fé, na “Igreja Antiga”, como diria Calvino. Não é esta nossa missão? “Eu vim buscar e achar o que se havia perdido”. “Não são os sãos que precisam de médico, mas os doentes”. “As ovelhas que o Pai me deu, ninguém as arrebatará de minha mão”. “Ide às ovelhas perdidas da Casa de Israel” – palavras de Jesus, que nos deu a sua missão, que nos confiou o seu legado e que nos enviou aos quatro cantos da terra.

A Igreja Inclusiva só cumpre seu papel, só responde sim ao chamado que ela tem da parte de Deus, se não se afastar da sua missão. Quando a Igreja Inclusiva se afasta de sua missão e segue exemplos outros, como o exemplo dos lobos que visam somente as lãs que cobrem as ovelhas, a Igreja, se usa o título de “Inclusiva”, deve abrir mão deste título, pois caiu da sua missão e razão de ser.

Nós, da Igreja Inclusiva, não podemos reproduzir o que de nefasto as igrejas exclusivas e fundamentalistas praticam. Nosso chamado, neste sentido, é “profético”, pois temos que denunciar, admoestar, exortar às igrejas que se corromperam que voltem à Graça de Cristo Jesus, que a ninguém exclui, desde os tempos da “Igreja Antiga”; antes, inclui os excluídos na comunidade de fé sejam rameiras ou não!

Seja, pois, para nós, os cristãos que incluem o ano de 2010 dedicado ao cumprimento pleno de nossa missão: o “Ano de Raabe, a meretriz”. Seja assim, para honra e glória do Senhor e para a edificação da sua Igreja Inclusiva! Amém.



* Márcio Retamero, 35 anos, é teólogo e historiador, mestre em História Moderna pela UFF/Niterói, RJ. É pastor da Comunidade Betel do Rio de Janeiro - uma Igreja Protestante Reformada e Inclusiva -, desde o ano de 2006. É, também, militante pela inclusão LGBT na Igreja Cristã e pelos Direitos Humanos. Conferencista sobre Teologia, Reforma Protestante, Inquisição, Igreja Inclusiva e Homofobia Cristã. Seu e-mail é: revretamero@betelrj.com.





4 comentários:

Dandara disse...

Parabéns pelo texto magnífico! É lamentável que outras igrejas ainda não compreendam a grandiosidade de alguns atos humanos e se limitem apenas a normatização da vida social.

Beijos da Danda!

Carlos Renato disse...

Uma colocação bem interessante sobre a magnífica Raabe só faltou esclarecer que para ingressar na comunidade judaica ela renunciou as práticas pecaminosas que segundo costume da época seria punida com apedrejamento até a morte.
Tal costume perdurara ate à época do Messias.
vide Jo 8:1-11 (em especial o 11 "...E disse-lhe Jesus: Nem eu, também, te condeno; vai-te, e não peques mais."
Que maravilha! aquela pecadora resgatada com a única condição de não mais pecar.

Luiz Gustavo disse...

e ela não mais pecou?

Carlos Renato disse...

Caro Luiz Gustavo,

Não tenho como lhe responder diretamente a pergunta mas posso lhe afirmar que para fazer a vontade de Deus e está em acordo com os ensino bíblicos, ela teria que mudar seu comportamento e, ainda, conforme costume (A Lei de Moisés - Lv 20.10-16) a pratica de uma vida de prostituição a levaria à morte por apedrejamento. Portanto creio que ela mudou de vida.
O entendimento natural é que o homem (todos os homens) nascem em pecado, pecam e vivem as conseqüências do pecado. Salvação é exatamente aceitar esta condição, arrepender-se, receber a regeneração e buscar a santidade. Este é o ideal, na prática é diferente. Grandes homens de Deus pecaram. O que não podemos é conformarmos com o pecado. Por que?
Porque o pecado nos afasta de Deus. Perdemos a visão de Deus e de sua vontade para conosco.
Quando um povo (nação) era derrotada nos tempos antigos, uma das preocupações do vencedor era destruir sua cultura enfraquecendo o espírito nacionalista deste. Assim também o nosso inimigo espiritual quando nos pega vencido pelo pecado, faz de tudo para que não mais sejamos capaz de Deus.
Não é uma questão de normatização como nos diz a amada Dandara. Deus sabe da angústia que a saudade dos tempos edenicos e a sua ausência tem causado à humanidade. As vezes até dizemos que esta tudo bem, mas ao cerrar as cortinas do ato cotidiano, no silencio do quarto só Ele sabe o quanto chora nosso íntimo. É disso que Ele quer nos salvar, entende, amado, propondo-nos uma nova vida, um novo padrão onde não haja mais pranto, tristezas e dor e a plenitude desta nova vida será viver com Ele eternamante.
Pode ser que você nunca tenha sofrido estas dores, bem vos vá, mas serias uma exceção à regra.
A humanidade sofre com gemidos terríveis enquanto padece, porém sem conhecimento de Deus não haverá paz. Nem nas igreja, nem nos gurus/pastores com mensagens motivacionais, nem com conselhos, cultos ou pregações. Nada pode preencher o vazio Deus dentro de nós senão o próprio Deus através da nossa fé.

Veja uma breve comentário da BEP sobre a necessidade do arrependimento:
"Mat 3.2 ARREPENDEI-VOS. O significado básico de arrependimento (gr. metanoeo) é voltar-se ao contrário; dar uma volta completa. Trata-se de abandonar os maus caminhos e voltar-se para Cristo e, através dEle, para Deus (At 8.22; 26.18; 1Pe 2.25; Jo 14.1,6). (1) A decisão de abandonar o pecado e querer a salvação em Cristo importa em aceitar a Cristo não somente como Salvador da penalidade do pecado, mas também como Senhor da nossa vida. Por conseguinte, o arrependimento envolve uma troca de senhores; do senhorio de Satanás (Ef 2.2) para o senhorio de Cristo e da sua Palavra (At 26.18). (2) O ARREPENDIMENTO é uma decisão livre, da parte do pecador, possibilitada pela graça divina capacitadora que lhe é concedida quando ele ouve o evangelho e nele crê (At 11.21). (3) A definição da fé salvífica como mera confiança em Cristo como Salvador é totalmente inadequada, ante a exigência do tipo de arrependimento feita por Cristo. Definir a fé salvífica sem incluir UM ROMPIMENTO TOTAL COM O PECADO é distorcer fatalmente o conceito bíblico da redenção. A fé que inclui o arrependimento é uma CONDIÇÃO IMUTÁVEL PARA A SALVAÇÃO (cf. Mc 1.15; Lc 13.3,5; At 2.38; 3.19; 11.21). (4) O arrependimento foi uma mensagem básica na pregação dos profetas do AT (Jr 18.8; Jl 2.12,13; Ml 3.7; Ez 18.21), de João Batista (3.2), de Jesus Cristo (4.17; 18.3; Lc 5.32) e dos cristãos no NT (At 2.38; 8.22; 11.18; 2Pe 3.9).
A PREGAÇÃO DO ARREPENDIMENTO sempre deve acompanhar a mensagem do evangelho (Lc 24.47)"


Perdão pelo texto longo, mas o amor de Jesus por você por mim e por todas é muito grande.

Tenha NEle a vossa paz,

Carlos Renato